Governo muda regras de uma das modalidades do Fies

Resultado de imagem para p fies

No P-Fies, para alunos com renda per capta de 3 a 5 salários-mínimos, a convocação será feita por ordem de inscrição e não a classificatória.

Uma das modalidades de crédito estudantil para o Ensino Superior mudou em 2019.

Muita leitura e dedicação. É assim a vida da Vitória, que está no segundo ano de Direito. Mas quase não deu para estudar por causa da mensalidade de R$ 1.400.

“Não ia ser fácil a gente assumir isso tudo. Então, assim, o financiamento foi muito bom, foi tudo muito simples mesmo”, conta Evandro Bolsarin, pai de Vitória.

Vitória conseguiu 50% de desconto na universidade e a família pegou um empréstimo privado para pagar a outra parte.

“Paga, durante os quatro anos que ele estuda, mais ou menos a metade da mensalidade que ele teria que pagar direto para a faculdade. Pagando a outra metade nos quatro anos depois de formado”, explica Carlos Furlan, especialista em financiamento estudantil.

“Com o financiamento, eu já fico mais tranquila em relação a isso. Eu consigo só focar no estudo mesmo”, diz Vitória Bolsarin.

Muitos brasileiros buscam financiamentos estudantis que, no mercado, têm juros que variam de 1,9% a 2,5% ao mês. A outra opção é o financiamento criado pelo governo e que, desde 2018, tem duas modalidades: o Fies, destinado a alunos com renda familiar per capita de até três salários mínimos por mês, com juro igual a zero, e com limite de cem mil vagas por ano; e o P-Fies, para alunos com renda que vai de três a cinco salários mínimos, com juros que variam de acordo com os bancos, e sem limite de vagas.

Nos dois casos, o pré-requisito é nota mínima de 450 pontos na prova do Enem, sem zerar a redação. Esses critérios continuam valendo em 2019. Mas a regra para ser chamado para o P-Fies mudou.

“No P-Fies, a gente não usa mais o Enem para a ordem classificatória. Agora o aluno que fizer a inscrição primeiro é que vai ter a vaga para ir para o banco fazer o contrato. O que o governo quis com isso é dar agilidade ao processo e que o aluno que realmente precise consiga o P-Fies”, explica Alexandre Mori, gerente de Financiamento do Semesp.

Os especialistas em financiamento estudantil dizem que, antes de mais nada, é preciso saber qual curso que você quer fazer. Isso porque são muitos anos pagando essa dívida. É um comprometimento longo. E também tem que ficar de olho no perfil financeiro de cada um para analisar exatamente qual é financiamento melhor para o seu bolso.

“Eu quero fazer esse curso. Quais opções eu tenho? Aí a faculdade mesmo vai direcionar ele para o Fies, para o P-Fies ou para um financiamento de banco privado. Tem que ir atrás”, afirma Alexandre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *