Casa de Semente Crioula é inaugurada em Mirandiba

Técnicos e coordenação da Unidade de Gestão Territorial do ProRural em Salgueiro participaram, durante toda esta quinta-feira (16), do dia do campo e inauguração do banco de sementes criolas da Fazenda Gameleira, em Mirandiba. A ação reuniu agricultores familiares, várias lideranças e entidades parceiras como Sebrae, Ipa, Adagro e Casa da Mulher do Nordeste. Além de representantes da EMBRAPA, de associações rurais e de caprinos e ovinos, Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Mirandiba (STR),Sindicato dos Agricultores Familiares do Sertão do Pajeú (Sintraf), secretários de Agricultura e Meio Ambiente do município e outras autoridades locais.

O objetivo da ação foi promover integração entre os grupos que discutem a criação, resgate e o fortalecimento dos Bancos de Sementes no Estado, que hoje já somam 800 espaços de manutenção e distribuição dos grãos. O novo banco já conta com sementes de milho dente de burro, milho aracaju, fava olho de curuja e outras oito variedades de fava, além de feijão curuginha – sempre verde e mais dez outras variedades do grão, além de outras espécies de plantas.

A semente crioula é considerada hoje de grande importância para o aumento a diversidade e a conservação do valor nutritivo de sementes, além do valor histórico de preservação dos costumes da ancestralidade e da alimentação saudável para agricultores e comunidades em geral.

Para os agricultores Ângela Santos e Luiz Schepp, proprietários da Fazenda Gameleira, ser “guardiões” das sementes crioulas representa colaborar no cuidado com a vida saudável e com o próprio meio ambiente. “Uma semente boa e livre de transgênicos, por exemplo, dará um fruto saudável e de grande valor nutritivo, o que vai garantir qualidade de vida e saúde tanto para quem planta, como para quem consome o alimento”.

Ainda segundo os agricultores, assim como o produtor de antigamente que não precisava comprar ou esperar a doação de sementes pelo poder público, esse o novo espaço também vai contribuir para a diminuição dos custos de produção dos agricultores da região. “Com a distribuição das sementes, os agricultores reduzem o uso de insumos como fertilizantes e aumentam a diversidade genética nos ambientes agrícolas, o que representa menores riscos de perdas devido a adversidades climáticas”, lembrou Ângela.

Com a inauguração do espaço, os agricultores familiares já estão sendo beneficiados. Um grupo de 20 mulheres representa a casa e pode utilizar das sementes. Além disso, qualquer agricultor tem direito de pegar a semente, com o compromisso dos “guardiões de sementes crioulas” que é o de devolver em dobro, para que todos utilizem e elas nunca acabem.

O encontro contou com o Dia de Campo, que foi organizado pelo Professor Rômulo do Instituto Federal do Sertão, com a presença de alunos do curso de agropecuária, com uma conversa com o representante do SEBRAE sobre um projeto de beneficiamento de fruta na região, feira de produtos da região como doce, pão caseiro, cocada, cuca, bolo de milho, bolo de mandioca, bolacha caseira, doces variados, geleia, mel de abelha e pepino em conserva. Além de exposição de móveis feitos de madeira de algaroba.

Durante o corte da fita inaugural estiveram presentes também representantes do Conviver e das associações de Agricultores Rurais de Gameleira, Boa Esperança, Pau de Leite, Feijão, Pedra do Amolar, Ervaço, Bom Haver, Cachoeirinha, Jardim e Olha Daguinha, entre outroas. Cada pessoa que estava levou sementes de feijão, milho, moringa, folha de amora, alecrim e outras para contribuir com o estoque inicial da casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *