Bolsonaro chama de ‘política’ decisão do Supremo que barrou Ramagem na PF

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por: Estado de Minas

O presidente Jair Bolsonaro desafiou, nesta quinta-feira (30), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, a decidir se Alexandre Ramagem pode ou não continuar no comando da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Do contrário, afirmou o presidente, irá nomear o seu ex-chefe de segurança pessoal, diretor-geral da Polícia Federal.
Bolsonaro disse que ficou ”chataeado” por ter decretado a volta do seu indicado para comandar a PF depois de ser desautorizado por decisão monocrática de  Alexandre de Moraes. “Se não pode ficar na PF, não pode ficar na Abin também”, reclamou o presidente.  Para Bolsonaro, a decisão do ministro do STF ” foi uma decisão política”.
Ele lembrou que, nessa quarta-feira (29), ao dar posse ao novo ministro da Justiça, André Mendonça, começou o discurso falando Constituição Federal. “Eu respieto a Consituição e Tudo tem umlimite. E estamosdiscutindo um novo nome (para diretor da Polícia Federal)”, disse o presidente.
Moraes concedeu a liminar justificando a relação de amizade  de Ramageme o clã Bolsonaro. O presidente disse que conheceu Rmagem logo após a eleição, em 2018, quando ramagem foi designado pela Polícia Federal chefe de sua segurança pessoal.
“Eu o conhecei com essa profundidade. Construí com ele uma relação de confiança”, diise o presidente para justificar os motivos que o levaram a nomear  Ramagem para o comando da PF.
Crise Institucional
“Agora, tirar numa canetada, desautorizar o presidente da República, dizendo impessoalidade (argumentação da liminar de Moraes). Ontem (nessa quinta-feira), quase tivemos uma crise instutiocional”, disse Bolsonaro.
Questionado sobre a possível crise institucional, Bolsonaro disse que não entraria em detalhes. “Eu não engoli ainda essa decisão do senhor Alexandre de Moraes. Não engoli. Não é essa a forma de tratar um chefe do Executivo, que não tem uma acusação de corrupção e faz tudo possível pelo seu país”, declarou.
O presidente afirmou que a Advocacia-Geral da União (AGU) irá recorrer da decisão liminar de Moraes, mas que o governo estuda outros nomes para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal.
“Eu pretendo o mais rápido possível, né, sem atropelo, indicar o diretor-geral, que é competência minha indicar. Quero o mais rápido possível dar tranquilidade para a Polícia Federal trabalhar”. Bolsonaro fez essas afirmações na saída do Palácio da Alvorada, antes de embarcar para Porto Alegre.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *