Zulene Alves

Lucas Ramos defende fortalecimento dos arranjos produtivos locais em Pernambuco

O deputado estadual Lucas Ramos (PSB) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco nesta terça-feira (07) para mostrar seu posicionamento em favor de mais investimentos para os arranjos produtivos locais. Os APLs são um conjunto de empresas localizadas em um mesmo território que apresentam especialização produtiva e mantém algum vínculo de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores como o governo, associações, instituições de crédito, ensino ou pesquisa. O parlamentar destacou que a política de fortalecimento dos arranjos é fundamental para a movimentação econômica do estado.
Lucas chamou a atenção para a importância de cadeias como o polo da confecção e a bacia leiteira no Agreste, a agricultura irrigada e a piscicultura no Sertão do São Francisco e a produção de mel no Sertão do Araripe. “Cada região do estado tem uma característica própria que favorece determinada atividade e é isso que faz a economia se movimentar, gerando emprego, renda e criando oportunidades para os pernambucanos”, afirmou. A Agência Estadual de Desenvolvimento Econômico (AD/Diper) é o órgão público responsável pela implantação de políticas públicas que favoreçam a atividade nos APLs. “Houve um grande avanço na gestão de Leonardo Cerquinho à frente da agência e precisamos seguir olhando para frente, buscando implantar mais projetos estruturadores que melhorem a produção”, enfatizou.
O parlamentar lembrou que já existem na AD/Diper estudos destinados ao desenvolvimento de respostas para as necessidades dos APLs. “Um dos projetos mais importantes contaria com o apoio da Facepe (Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco), que buscaria soluções de curto prazo para problemas locais contando com a contribuição de produtores, empresários e acadêmicos para que seja feita uma construção coletiva de saídas viáveis e aplicáveis no prazo de dois anos”, discursou. “Em dois anos, envolvendo academia e produtores, juntado na mesma mesa o empresário que está na ponta do serviço com os cientistas, estaremos gerando tecnologia com DNA pernambucano para aproveitar o potencial que nossa terra abençoada possui”, ressaltou o socialista.
Um dos APLs que pode ser beneficiado é o da avicultura de corte no município de Lagoa Grande, no Sertão do São Francisco. O estudo, construído em parceria com a prefeitura, está finalizado. “Trata-se de um estímulo para os pequenos e médios criadores que teriam condições de oferecer um produto de mais qualidade para a os consumidores e ainda obter melhor rendimento. Todo o projeto já está pronto, aguardando a determinação do governador para ser levado adiante”, lembrou.
Lucas Ramos finalizou o discurso afirmando que vai envidar esforços para que a AD/Diper reestabeleça a política de incentivo aos APLs. “A política nacional de arranjos produtivos locais é regida pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e serviços. É, então, extremamente importante a manutenção dessa política aqui em Pernambuco e faremos o nosso dever de casa, buscando fortalecer o trabalho já desenvolvido pela agência para, em seguida bater, com mais força na porta do Governo Federal em busca de investimentos”, cravou.

“É preciso ouvir mais as mulheres para errar menos”, defende Armando, no aniversário de 12 anos da Lei Maria da Penha

O candidato ao governo do Estado pela coligação Pernambuco Vai Mudar, Armando Monteiro (PTB), defende a ampliação do atendimento no aparato policial às mulheres vítimas de violência. “Toda delegacia deve ter um profissional que tenha essa condições de poder acolher, de ouvir”, afirmou o petebista, em roda de diálogo com um grupo de mulheres.
Armando também ressaltou a necessidade de combater a cultura do machismo, enfatizando a importância de aprender com elas nesse processo de luta contra a violência. “É preciso ouvir mais para entender mais e errar menos”, reforçou.
Uma das participantes da roda de diálogo com Armando é Célia Santos, 36 anos, voluntária do Instituto Maria da Penha do Recife. “As políticas públicas estão muito fragilizadas, não tem uma rede fortalecida. Todo mundo conhece alguém que foi vítima de violência. Enquanto não tem uma morte, a sociedade fica omissa”, observou Célia. A constatação da voluntária é embasada nos dados oficiais. Em Pernambuco, entre janeiro e junho deste ano, 127 mulheres foram assassinadas, sendo 37 por feminicídio, segundo levantamento “Uma Por Uma”, do Jornal do Commercio, baseado nos dados da Secretaria de Defesa Social (SDS).
Na última da última segunda-feira (6), mais uma mulher perdeu a vida em Pernambuco. A pastora evangélica Josefa Maria da Silva, 42 anos, foi assassinada com três tiros pelo ex-companheiro da mulher com quem teria um relacionamento homoafetivo. “A gente precisa se libertar em grande medida dessa cultura machista que é transmitida desde o início em casa, na formação. Tem aí todo um trabalho na educação que precisa ser feito”, defendeu Armando.
Para Armando, Pernambuco está sem condições de acolher as vítimas de violência. O candidato a governador destaca que é preciso reformular a forma como o Estado atende às mulheres. “A ideia da Delegacia da Mulher se dá por conta do total despreparo do sistema normal para tratar as questões mais específicas de gênero”, destacou, em vídeo com a roda de diálogo publicado nas nossas redes sociais.

PT quer que Band deixe cadeira vazia no debate, para marcar ausência de Lula

https://www.researchgate.net/publication/50361563/figure/fig1/AS:398334377381890@1471981724575/A-cadeira-vazia-no-primeiro-debate-na-TV-Bandeirantes.png

O Partido dos Trabalhadores traz, pela primeira vez na história do Brasil, um presidenciável que está encarcerado: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7 de abril na sede da Polícia Federal, em Curitiba. Por conta desse ineditismo, muitas questões ainda estão sem respostas e uma delas é a possibilidade do petista comparecer ou não aos debates promovidos entre os candidatos à Presidência da República.

A dúvida persiste ainda às vésperas do primeiro debate entre os presidenciáveis – que vai ocorrer nesta quinta-feira (09), promovido pela Rede Bandeirantes . O que se sabe até agora é que nem a  Band e nem a Rede Globo são a favor de aceitar um  candidato a vice como substituto de um presidenciável neste tipo encontro. Ou seja, se Lula não puder comparecer, não haverá quem fale por ele no debate entre os candidatos à Presidência.

Apesar da limitação, por conta do ineditismo, o PT já se move para garantir a presença do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad nos debates eleitorais de 2018. E, em último caso, nesta terça-feira (07), deixou claro que, se não houver possibilidade de Lula comparecer ou de alguém representá-lo, quer uma cadeira vazia, como símbolo de sua ausência forçada ao debate.

“O princípio da igualdade de condições na disputa eleitoral garante que o ex-presidente Lula , como candidato, tenha os mesmos direitos que os seus adversários, inclusive na participação em debates e entrevistas”, diz o partido. “Caso a justiça não assegure este direito ao candidato, o partido requer que a transmissora mantenha uma cadeira vazia representando sua ausência forçada ao debate”.

O PT lembra ainda que essa não seria a primeira vez que um espaço destinado a Lula em um debate ficaria vago. Afinal, em 2006, quando ele também era candidato e não pôde comparecer ao encontro, uma medida semelhante foi adotada.

“Em 2006, a Rede Globo não apenas manteve o púlpito destinado ao então candidato à reeleição, mesmo com sua ausência, mas também permitiu que os outros candidatos à Presidência fizessem perguntas a ele em todos os blocos do programa”, defende o partido. “A Band também várias vezes usou lugares vazios para indicar quando um candidato não comparece ao debate”, diz.

Dilma lança vaquinha virtual para financiar campanha ao Senado

Por: Correio Braziliense

A  ex-presidente Dilma Rousseff (PT) entrou na onda das vaquinhas on-line. Em vídeo postado nas redes sociais, a petista pede ajuda para financiar a campanha ao Senado por Minas Gerais. Dilma também aproveitou para pedir apoio à reeleição do governador Fernando Pimentel e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Até as 16h desta terça-feira (7), Dilma conseguiu arrecadar R$ 2.190, com a doação de 23 pessoas. “É preciso derrotar os golpistas e retomar o crescimento do país.”No vídeo, Dilma também tenta rebater as acusações dos adversários de que mudou o domicílio eleitoral para Minas, apesar de votar durante décadas no Rio Grande do Sul. “Fui embora de Minas porque fui perseguida pela ditadura militar. Faço parte dessa

história de luta”, afirmou. Dilma teve o mandato presidencial cassado em 31 de agosto de 2016. Ela foi considerada culpada do crime de responsabilidade por causa das pedaladas fiscais.

Livro aborda migração da Rádio Pajeú para FM

O livro “Migração do rádio AM para o FM – Avaliação de impacto e desafios frente à convergência tecnológica” tem um capítulo dedicado ao processo de migração das emissoras AMs (Modulação em Amplitude) para FMs (Frequência Modulada) de Pernambuco.

A publicação será lançada no próximo dia 22 de agosto em Brasília – DF, durante o 28º Congresso Brasileiro de Radiodifusão. Entre as rádios pernambucanas analisadas – pelo jornalista afogadense, Daniel Ferreira, e pelos pesquisadores da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Andréa Trigueiro e Elano Lorenzato, está a Rádio Pajeú.

A elaboração do livro foi coordenada pelas professoras Nair Prata e Nélia Del Bianco e apresenta os resultados de uma pesquisa nacional que busca entender o impacto da migração do rádio AM para o FM no Brasil. Para a realização da pesquisa, foram identificadas nove rádios do interior de Pernambuco, das quais, seis delas estão situadas no sertão do estado.

As rádios pesquisadas foram: Rádio Pajeú, de Afogados da Ingazeira; Rádio da Grande Serra Ltda., de Araripina; Fundação Emissora Rural A Voz do São Francisco, de Petrolina; Rádio Voluntários da Pátria FM, em Ouricuri; Rádio Asa Branca de Salgueiro Ltda., de Salgueiro; e Rádio Líder FM, de Serra Talhada. As outras três: Rádio Bituri FM, de Belo Jardim; Rádio Papacaça FM, de Bom Conselho; e Fundação João Paulo II, de Gravatá, estão no Agreste pernambucano.

Em relação às razões que levaram às emissoras a migrarem para a Frequência Modulada (FM), todas as emissoras apontaram a melhoria da qualidade de som; possibilidade de aumentar a audiência; expectativa de alcançar várias faixas da audiência, a exemplo dos jovens, e a necessidade de inserir a rádio no ambiente digital móvel (celular).

Nas razões, a possibilidade de aumentar o faturamento com publicidade, oportunidade para renovar o conteúdo e formato da programação, e renovação das formas e canais de interação com a audiência foram apontadas por metade das emissoras.

Sobre o processo burocrático, junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para a adaptação da outorga e, assim, passar a operar em FM, metade das emissoras teve suas expectativas superadas, pois algumas delas já estavam com toda documentação, exigida, pronta. Para a outra metade as expectativas foram atendidas.

O valor pago pela adaptação da outorga foi considerado alto por todas as emissoras. Metade delas investiu até 100 mil reais e a outra metade investiu de R$ 100 a 200 mil.

Além do valor pago para o MCTIC, todas as emissoras ainda precisaram investir em troca de equipamentos como transmissor e torre de transmissão (antena). Outra parte delas investiu, também, em estúdio de transmissão com console de áudio, computadores e outras estruturas.

As rádios na modulação FM têm comportamento de cobertura mais uniforme entre dia e noite, sendo sensivelmente menos afetadas por interferências radioelétricas. Tal mudança também implicará na qualidade do som e, assim, mais mercado de atuação e oportunidade para a publicidade radiofônica.

Ou seja, para essas rádios que migraram (ou ainda vão migrar) surge uma nova fase e um novo momento de renovação, sustentabilidade e, ao mesmo tempo, reposicionamento no mercado com mais audiência e amplitude.

Blog de Nill Júnior

Mulher espancada pelo marido desabafa: ‘As pessoas preferem não se meter mesmo que isso signifique salvar uma vida’

Nove meses depois da agressão que quase lhe tirou a vida, Bruna comemora seu "renascimento" (Foto: Arquivo pessoal )
Doze anos após a aprovação da Lei Maria da Penha, uma das vítimas de violência doméstica que quase foi assassinada pelo ex-marido em Campo Grande, MS, tem algo a comemorar nessa data: Ela sobreviveu, se recuperou, o agressor está preso, e hoje ela trabalha ajudando outras mulheres vítimas de agressões dentro de casa. Bruna Oliveira viveu um relacionamento abusivo por 7 anos. No começo, o homem não aparentava ser violento, mas aos poucos, passou a levantar a voz em qualquer conversa, usar palavras agressivas, xingamentos, ameaças, até começar a bater na esposa: “Era um tapinha na mão, um tapa no braço, um empurrão. Foi assim que tudo começou, até ele tentar me matar”, relata.

Ela, porém, não entendia que isso era de fato, violência. Pensava que era uma questão de personalidade: “Ele sempre disse que tinha um comportamento explosivo, e eu achava que aquele era o jeito dele mesmo e que ele sempre poderia trabalhar esse comportamento. Quando percebi, eu já estava levando tapa, soco, chute”, conta. A vida dela mudou no dia 4 de novembro do ano passado, quando trabalhava em um supermercado. Depois de se separar do marido e achar que estava livre das agressões, uma noite, enquanto dormia profundamente, Bruna acordou com a dor dos golpes na cabeça: “No dia que ele tentou me matar, ele entrou na minha casa e enquanto eu ainda dormia, ele começou a me agredir com o capacete, batia com ele na minha cabeça. Eu estava desorientada, acordei rápido e no meio da madrugada, eu não me dei conta do que estava acontecendo. Eu não entendia e não conseguia perguntar por que ele estava me batendo. “

Bruna conta que levantou da cama do jeito que estava e correu até a rua, para pedir ajuda: “Eu saí correndo de camisola mesmo. Antes de conseguir sair, ele encontrou um pé de cabra e com um golpe só, quebrou dois ossos do meu braço. Eu fugi com o braço quebrado, aberto, e a dor era imensa”, relata. “Eu pedia socorro mas ninguém me ajudou”. Na rua, com a dor forte no braço e com cortes na cabeça, ela corria desorientada, apenas pensando em fugir: “Várias vezes enquanto eu fugia, eu corria e tinha a forte impressão de que aquilo era um pesadelo. O que me fazia entender que não estava sonhando, era a dor que eu sentia com o braço quebrado. Levei mais de 20 pontos na cabeça, eram 3 cortes enormes. Eu estava banhada em sangue e não tinha muita noção de que aquilo realmente estava acontecendo”. Já na rua, correndo, Bruna conta que gritava e pedia ajuda, mas não houve resposta: “Eu pedia socorro mas ninguém ajudou, ninguém saiu pra fora, não abriram uma janela, nada”.

O pesadelo de Bruna ainda estava longe de acabar. Quando ela saiu de casa, o ex-marido foi atrás dela pilotando uma motocicleta: “Ele pegou a moto e ficou me perseguindo pelas ruas. Eu estava de camisola, com o braço aberto, deixando sangue no muro das casas por onde passava. Ele passou por mim de moto e me atropelou. Aí nesse momento eu caí no chão, e ele começou a chutar a minha cabeça”. Ela conta que nesse momento, quando estava caída na rua, vislumbrou a esperança de ser salva: “Eu estava sofrendo tanto que desisti, e fechei o olho. Aí quando eu fechei o olho e abri de novo, tinha 3 pessoas em cima de mim, e tinha um outro rapaz que tava empurrado ele. Então, ele começou a falar para as pessoas que eu estava traindo ele”.

CONTINUAR LENDO

SEJECT realiza Congressos Técnicos para competições de futebol e futsal em Sertânia

O Governo Municipal de Sertânia, através da Secretaria de Juventude, Esporte, Cultura e Turismo, realizará na sede da SEJECT, na antiga estação ferroviária, os Congressos Técnicos de duas importantes competições de futebol e futsal

O encontro para a Copa Municipal de Futebol acontecerá na próxima sexta-feira (10), às 17h, já o da Copa Municipal de Futsal será realizado na quarta-feira (15), às 19h, ambos na sede da SEJECT.

Na ocasião, serão discutidas, com os responsáveis pelas equipes, questões de regulamento das competições que serão realizadas dentro do Projeto Férias Esportivas.

Os jogos de futebol serão realizados no Estádio Odilon Ferreira e os de futsal, no Ginásio Poliesportivo Epaminondas Morais. Todas as equipes inscritas vão ganhar padrão com camisa, short e meião para 20 atletas.

Antonio Souza vai coordenar a campanha de Julio Lossio a governador

O empreendedor social Antonio Souza (Rede) será o coordenador geral da campanha de Julio Lossio (Rede) a governador de Pernambuco. Com uma história de vida de sucesso, Antonio vai emprestar a sua capacidade empresarial ao palanque do ex-prefeito de Petrolina.
“Julio é grande quadro que temos no nosso estado. Tem uma imensa capacidade política e administrativa, pois fez uma revolução em Petrolina, deixando o governo bem aprovado. Portanto, ele tem todas as credenciais para colocar Pernambuco na rota do crescimento de novo”, pontuou Antonio Souza.
Ao lado de Julio Lossio e dos demais candidatos da Rede Sustentabilidade, Antonio Souza abrirá um palanque para Marina Silva em Pernambuco. O empreendedor social, que foi pré-candidato ao Senado, se retirou com o objetivo de abrir espaço na chapa do partido para outros nomes.

 

ESA-PE recebe homenagem na Alepe, nesta quarta, 08

A proposição é do deputado Rodrigo Novaes pelos 25 anos de atuação da Escola na promoção da formaçãcontinuada na área da advocacia

A Escola Superior de Advocacia de Pernambuco (ESA-PE), braço educacional da OAB-PE, vai receber homenagem da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), pelos seus 25 anos de atuação na pós-formação dos advogados pernambucanos, do Recife e do interior do estado. O evento acontece, nesta quarta, 08 de agosto, às 18h, na Alepe, durante sessão solene proposta pelo deputado estadual Rodrigo Novaes. O presidente da OAB-PE, Ronnie Preus Duarte, e o presidente da ESA-PE, Carlos Neves, receberão a homenagem.

A ESA-PE se destina ao aprimoramento profissional e cultural dos advogados e estagiários, oferecendo pós-graduação em diversas áreas do direito, além de congressos, palestras, workshops e cursos de educação à distância, já tendo atendido mais de 6,5 mil alunos em diversos cursos. A escola também elabora convênios com entidades culturais e de ensino para ministrar cursos de extensão universitária, pesquisas e seminários. Hoje, a ESA-PE possui um dos maiores programas de pós-graduação do país, no âmbito das OABs, tendo beneficiado cerca de cinco mil alunos.

Por meio da SARA, Pesqueira recebe 250 kits de caráter produtivo nesta terça-feira (07)

Através de mais uma ação do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária de Pernambuco (SARA), 250 agricultores do município de Pesqueira serão contemplados nesta terça-feira (07), na sede da Cáritas Diocesana, com kits de caráter produtivo. O caráter produtivo faz parte do Programa Segunda Água (Cisternas Calçadão), que contempla com os kits agricultores que já receberam, através do Pernambuco Mais Produtivo, a tecnologia social da Cisterna Calçadão. Os equipamentos, que possuem 52 mil litros, ampliam o acesso a água, através da captação das chuvas, e viabilizam a criação de pequenos animais e a implantação de hortas orgânicas. A entrega dos kits complementa a estruturação necessária para aumentar a produtividade do setor.

Ainda esta semana outros 550 agricultores serão beneficiados com os equipamentos em três municípios, sendo eles Terra Nova, na próxima quarta-feira (08), Exu, na próxima quinta-feira (09), e Altinho, na sexta-feira (10).

Contratado através do convênio 012/2011, os 250 kits do Caráter Produtivo fazem parte de um total de 15.500 kits que estão sendo entregues até o final de 2018 para 87 municípios pernambucanos. Cada kit de produção de forragem animal contém, a escolher: Kit Roçadeira (uma roçadeira semi-florestal com 03 itens acessórios, de corte de arbustos, capineira e roço; uma bota e um óculos de proteção) ou Kit Forrageira (uma forrageira com cabo de extensão elétrico de 10 metros).

“Os kits produtivos serão responsáveis por aumentar a produção e consequentemente a renda, fazendo grande diferença para os nossos agricultores. A secretaria tem se empenhado nesse sentido, a exemplo de outras ações realizadas por meio da SARA e de nossas vinculadas IPA, Agragro, Iterpe e ProRural”, pontua o secretário da pasta, Wellington Batista.