Olimpíadas Estudantis: segunda fase da competição movimenta alunos de Petrolina

A imagem pode conter: 8 pessoas, multidão e campo de beisebol

A segunda fase da 47ª Olimpíadas Estudantis de Petrolina está a todo vapor. As competições começaram nesta segunda-feira (21) e seguem até o dia 13 de setembro movimentando jovens das categorias infantil (15 a 17 anos) e juvenil (17 a 19 anos).

Nesta segunda etapa dos jogos, os participantes disputam nas modalidades de futsal, basquete, vôlei, futebol de campo e handebol. De acordo com o diretor de esportes de Petrolina, Rodrigo Galvão, mais de 4 mil alunos estão envolvidos nas duas fases das Olimpíadas Estudantis deste ano.

Ainda segundo o diretor, o número de inscritos surpreendeu nesta fase quando serão realizadas mais de 60 competições entre os jovens. “A primeira fase foi um grande sucesso e nesta segunda fase não foi diferente. Muitas equipes inscritas o que resultará em mais de sessenta partidas disputadas”, disse.

A 47ª Olimpíadas Estudantis de Petrolina teve início em maio com competições da fase mirim que mobilizaram mais de 1500 alunos de 12 a 14 anos. Na oportunidade, os estudantes de 39 escolas disputaram em cinco categorias: futsal, voleibol, handebol, basquetebol, futebol society.

As competições desta segunda fase têm início a partir das 8h e os jogos estão acontecendo no Ginásio do Sesc, Ginásio Osvaldo do Flamengo e também no estádio municipal Paulo de Souza Coelho. As Olimpíadas Estudantis são realizadas pela prefeitura, através da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes e as escolas campeãs desta fase municipal se classificam para a fase regional das Olimpíadas Estudantis de Pernambuco.

Kaio Maniçoba representa Pernambuco no Fórum Nacional de Habitação

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, terno

Na oportunidade, o secretário também assumirá a Direção Nordeste do Fórum Nacional de Secretários de Desenvolvimento Urbano

O secretário de Habitação, Kaio Maniçoba, representa o estado de Pernambuco no Fórum Nacional de Habitação de Interesse Social, que acontece até amanhã (23.08), no Hotel Novotel Jaraguá Conventions, na cidade de São Paulo. O encontro reúne autoridades nacionais e especialista do setor para discutir os novos rumos da moradia popular no Brasil.

Para o secretário, o evento representa mais uma oportunidade para trocar experiências com os demais gestores do setor. “Pernambuco tem tradição no segmento e muita experiência para compartilhar com os demais estados. Além disso, o encontro promove o entrosamento entre os gestores brasileiros que estão na luta pela universalização do acesso á moradia”, disse Maniçoba.

Dentre os assuntos discutidos na ocasião, destacam-se regularização fundiária, Desenvolvimento Sustentável do setor e Parcerias Publico Privadas (PPPs). Além disso, o grupo debaterá sobre os sistemas construtivos inovadores e as perspectivas do programa Minha Casa, Minha Vida.  Foram convidados representantes do Governo Federal, do Instituto de Registro Imobiliário do Brasil (IRIB), e da Universidade de São Paulo (USP).

REPRESENTATIVIDADE EM DOSE DUPLA – Na oportunidade, o secretário dará um passo importante no setor nacional de Habitação, assumindo oficialmente a Direção da Região Nordeste do FNSHDU. Também presente no encontro, o novo presidente da Companhia Estadual de Habitação e Obras (Cehab), Raul Goiana, assumirá a Direção Regional Nordeste da ABC, reforçando ainda mais a representatividade de Pernambuco no cenário nacional de Habitação

Prazo para inscrição do Selo UNICEF é estendido

Os municípios pernambucanos que ainda não se inscreveram no Selo UNICEF – Edição 2017-2020 têm uma nova chance até o próximo dia 31 de agosto. Mais de mil municípios brasileiros do Semiárido e Amazônia já se inscreveram.

A iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estimula a gestão municipal a implementar políticas públicas para garantir os direitos das crianças e dos adolescentes. Os documentos para a inscrição podem ser acessados em www.selounicef.org.br. O UNICEF recomenda que os municípios não deixem a inscrição para a última hora.

Ao aderir ao Selo UNICEF, os municípios inscritos devem investir em ações para melhorar a oferta e a qualidade de serviços de saúde, educação, assistência social e participação, visando produzir impactos reais e positivos na vida de crianças e adolescentes. O UNICEF capacita os gestores municipais e define os indicadores que ajudarão a monitorar os resultados das ações.

Na edição de 2013-2016 foram certificados 35 municípios pernambucanos: Águas Belas, Arcoverde, Bezerros, Bonito, Brejinho, Cabrobó, Caruaru, Casinhas, Cedro, Flores, Ibimirim, Itacuruba, Itambé, João Alfredo, Lagoa Grande, Limoeiro, Orobó, Panelas, Petrolândia, Petrolina, Poção, Salgueiro, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Maria da Boa Vista, Santa Terezinha, São Bento do Una, São Caetano, São José do Egito, Serra Talhada, Sertânia, Surubim, Tacaimbó, Tacaratu, Tuparetama  e Venturosa.

Quem pode se inscrever

Podem aderir ao Selo os municípios localizados em nove Estados do Semiárido (Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) e nos nove Estados que compõem a Amazônia (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins).

MARCIO OLIVEIRA VISTORIA DO CONDOMÍNIO INDUSTRIAL EM SERRA TALHADA

O prefeito em exercício, Márcio Oliveira, acompanhado do secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcos Oliveira, vistoriou na manhã desta segunda-feira (21), as obras de construção do acesso ao Condomínio Industrial, às margens da BR 232, em Serra Talhada.

“É mais uma obra importante da gestão Luciano Duque, que trará desenvolvimento para Serra Talhada e para a região do Pajeú, porque atrairá empresas para se instalarem aqui, trazendo empregos e geração de renda para o município”, disse Márcio Oliveira ao vistoriar as obras que estão bastante avançadas.

Márcio Oliveira assumiu o governo municipal na última sexta-feira (19), durante cerimônia de transmissão de cargo na Câmara de Vereadores, em virtude da viagem do prefeito Luciano Duque ao México, onde receberá na sexta-feira (25), o Prêmio Latino-Americano ao Bom Governo Municipal.

Mais agenda – Ainda no dia de ontem, Márcio Oliveira esteve acompanhando a recuperaçaõ da estrada que liga Varzinha a Caiçarinha da Penha, na zona rural do Município.

Com investimento de R$ 1,2 mi, Custódia receberá unidade do Corpo de Bombeiros Militar

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas em pé, terno e área interna
A nova estrutura contará com um efetivo diário de dez homens e mulheres que atuarão nas emergências
e acidentes de incêndio, resgate, salvamento e serviço técnico
 
Visando interiorizar as atividades do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco (CBMPE) para que a população seja atendida de forma mais rápida e eficaz, o governador Paulo Câmara firmou, nesta segunda-feira (21.08), um convênio para que o município de Custódia, localizado no Sertão do Moxotó, receba a primeira unidade da corporação. O novo prédio, que conta com uma área de 17.184 metros quadrados (m²), será instalado onde funcionava o Terminal Rodoviário da cidade. A partir do investimento de R$ 1,2 milhão do Governo do Estado, serão providenciados viaturas de combate a incêndios, viatura Auto resgate, viatura de vistoria e viatura de comando operacional, além de vários equipamentos de salvamento e resgate.
 
“A cessão desse imóvel e a possibilidade de a estrutura do Corpo de Bombeiros funcionar em Custódia é um grande avanço, pois é uma cidade central que dialoga com outros municípios e tem condições de dar respostas rápidas. O bombeiro tem um trabalho efetivo e ajuda, principalmente, na prevenção, na defesa social. E isso tem nos ajudado a ter o mínimo de ordenamento das licenças e, ao mesmo tempo, evitar que estabelecimentos que não tinham condições nenhuma de serem utilizados, entrem em funcionamento. Então, quero fazer parcerias em favor da população, tirando do papel aquilo que é importante”, afirmou o governador Paulo Câmara.
 
O Termo de Cessão de uso de bem imóvel faz parte do convênio firmado entre a Secretaria de Defesa Social (SDS), através do CBMPE, e a Secretaria das Cidades, por meio da Empresa Pernambucana de Transporte Coletivo Intermunicipal – EPTI. A nova unidade contará com um efetivo de serviço diário de dez homens e mulheres que atuarão nas emergências e acidentes de incêndio, resgate, salvamento e serviço técnico. A nova estrutura terá atuação regional, atendendo cerca de dez municípios.
 
O prefeito de Custódia, Manuca de Zé do Povo, pontuou que o Governo de Pernambuco  está atendendo a uma demanda muito aguardada pelos moradores do município, uma vez que o prédio do Terminal Rodoviário era praticamente inutilizado. “São gestos como esse que amenizam as dificuldades da cidade. Somos muito gratos por podermos contar com o governador Paulo Câmara e espero que essa parceria se estenda por muito mais tempo. Certamente, diante da crise, a condição em que Pernambuco está se sobressaindo ao País está vivendo”, afirmou.
 
O secretário das Cidades, Francisco Papaléo, aponta a nova unidade como um marco do Governo de Pernambuco, oferecendo uma finalidade a um prédio público até então inutilizado. “Hoje, as pessoas preferem fazer o embarque e desembarque dos ônibus intermunicipais às margens da BR-232, então, vamos, junto às prefeituras, em busca de construir baias para dar apoio a essas pessoas”, afirmou. O comandante do CBMPE em exercício, coronel Marcílio Rossini, assegurou que o tempo de chegada do Corpo de Bombeiros a cidades como Arcoverde e Serra Talhada será reduzido à metade. “É um avanço, pois reduzimos a distância no atendimento à BR-232, podendo chegar muito mais rápido a uma ocorrência não só à cidade de Custodia, mas aos municípios do entorno do Moxotó”, avaliou.
 
Também participaram da solenidade os secretários Antônio de Pádua (Defesa Social); o secretário em exercício da Casa Civil, André Campos; o deputado federal André de Paula; e a diretora-presidente da EPTI, Thaíse Ferreira.

 

JOSÉ PATRIOTA REPRESENTARÁ O BRASIL EM EVENTO INTERNACIONAL DE PREFEITOS

A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas sentadas e área interna

O Prefeito de Afogados da Ingazeira, José Patriota, representará os Prefeitos de todo o Brasil na XI Cúpula de Prefeitos das Américas, representando a Confederação Nacional dos Municípios. O evento será realizado entre os dias 23 e 26 de Agosto, na cidade de Pachuca, no Estado de Hidalgo, no México.

Patriota fará duas importantes apresentações durante o evento. Em uma delas, falará da sua experiência como integrante da comissão nacional pela implantação nos municípios dos objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS). Em um segundo momento, no Fórum Latino Americano da Água, Patriota apresentará a experiência exitosa de Afogados da Ingazeira nas ações de infraestrutura hídrica que melhoraram o acesso à água na zona rural do município.

A cúpula reúne Prefeitos e dirigentes municipalistas da América Latina e do Caribe, sendo o maior evento municipalista do continente, reunindo também diversas instituições e organismos multilaterais.

“Será uma grande honra poder representar o Brasil, apresentar o que estamos fazendo para implantação dos objetivos de desenvolvimento sustentável, e poder, também, apresentar o que estamos fazendo em Afogados para garantir o acesso à água para nossa população rural,” destacou Patriota

O Prefeito de Afogados viaja nesta terça e retorna ao município no próximo Domingo (27). Tendo em vista o prazo de afastamento ser inferior a quinze dias, não haverá necessidade oficial de transmissão de cargo. O Vice-Prefeito Alessandro Palmeira estará no município coordenando todas as ações estratégicas do Governo Municipal. Informamos ainda que todas as despesas da viagem serão custeadas pela CNM e AMUPE, ficando o município de Afogados da Ingazeira isento de qualquer despesa com a atividade. Sem qualquer ônus para a Prefeitura, a não ser o de ter o seu nome e as suas ações divulgadas fora do Brasil.

Não é a primeira vez que Patriota representa Afogados e o Brasil em um evento internacional. Há dois anos, também em Agosto, Patriota participou em Porto Rico do IX Congresso Latino Americano de Cidades e Governos Locais, falando mais uma vez em nome da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Secretaria de Educação de Serra Talhada, diante de matéria publicada na imprensa local nesta segunda-feira (21), acerca de denúncia de falta de merenda em escola de Serra Talhada feita por vereadores da oposição, faz os seguintes esclarecimentos:

1. A denúncia fabricada pelos vereadores que assinam a matéria, tem, tão somente,  o caráter de enganar a população com inverdades cujo o único intuito é fazer uso político do fato para se promover na mídia local, reforçada pela presença de dirigente partidário;

2. Como em todas as demais escolas da rede municipal de ensino, o depósito onde é armazenada a merenda estava completamente abastecido, como pode ser facilmente comprovado através do protocolo em que consta data e hora em que a reposição da merenda foi realizada;

3. Causa estranheza na gestão da escola  o fato dos vereadores que estiveram na instituição não terem divulgado as fotos que fizeram do depósito abastecido, reforçando ainda mais o caráter político da inverdades lançadas contra a Secretaria Municipal de Educação;

4. Além dos fatos que comprovam a falsidade das afirmações dos parlamentares, agrava-se o fato de haver relatos de terem induzido os alunos a criticarem a merenda escolar, expondo os menores de forma inapropriada.

5. Por fim, a Secretaria Municipal de Educação tomará as medidas cabíveis para restabelecer a verdade, e repudia, veementemente, esse tipo de expediente, onde inverdades são criadas com única finalidade de instrumentalização política e autopromoção, expondo de forma vergonhosa toda uma comunidade escolar a partir da intimidação e do uso indevido de prerrogativas.

A Secretaria Municipal de Educação estará a disposição para quaisquer esclarecimentos, e vai trabalhar para que a verdade dos fatos seja prontamente restabelecida.

Prefeitura promove mais uma edição da “Copa Florense de Futsal”, com 250 atletas e premiação em dinheiro

Com objetivo de promover a integração entre os jovens, praticantes do futebol de salão, a prefeitura Municipal de Flores, por meio da Secretaria de Esportes vai reunir nesta segunda-feira (21), na quadra poliesportiva da Escola Municipal Onze de Setembro, 250 (duzentos e cinquenta) atletas da cidade, para o lançamento oficial de mais uma edição da Copa Florense de Futsal.

O último jogo da fase classificatória, acontecerá em 8 de outubro e as finais deveram acontecer em 12 de novembro, com premiações em dinheiro do 1º ao 4º colocado, que somam R$ 4.960,00 (quatro mil, novecentos e sessenta reais), da seguinte forma:

  • 1º Lugar: R$ 2.600
  • 2º Lugar: R$ 1.100
  • 3º Lugar: R$ 500,00
  • 4º Lugar: R$ 280,00
  • Troféu Fair-Play: R$ 280,00
  • Goleiro menos vazado: R$ 100,00
  • Artilheiro R$ 100,00

Para o prefeito Marconi Santana, “mais um momento em que nossa administração reafirma o compromisso em fomentar a prática esportiva em nosso município. Onde nestes primeiros meses, já promovemos jogos escolares, a 1ª corrida das rosas, reformamos a quadra da Escola Municipal Onze de Setembro e a quadra do Bairro Vila Nova. Vamos fazer muito mais e inserir novas modalidades esportivas, como: vôlei, handebol, basquete, jiu-jitsu e ciclismo”, destacou o prefeito.

Em entrevista, Haddad defende reinvenção do PT para 2018

Por: Leonardo Cavalcanti

Por: Natália Lambert

Do Diario de Pernambuco

Apesar de participar de palestras e seminários em todo o país, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) não admite ser o plano B dos petistas à Presidência da República, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impedido de disputar por causa de condenação judicial. Entretanto, Haddad ressalta a necessidade que o partido tem de ser cabeça de chapa. "A pretensão era que o candidato em 2018 fosse de outro partido com o apoio do PT, em outras condições, não nas em que o partido está ameaçado de extinção pelas forças de oposição", comenta.
Para Haddad, o desgaste do PT com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, a fragmentação de forças políticas e as denúncias de corrupção contribuíram para a derrota, em primeiro turno, nas últimas eleições municipais, para o atual prefeito João Doria (PSDB-SP), candidato que ele considera que não será um bom presidente, se eleito. "Nunca acreditei nesse tipo de político. Uma pessoa que diz que não é político, mas só faz política. Também não acredito em um tipo de política que se afirma pela desconstrução do que foi feito", afirma.

O Lula começou uma caravana pelo Nordeste. Como o senhor vê essa antecipação da corrida presidencial?
Não classificaria assim. Na verdade, o Lula está em uma epopeia há dois, três anos, em função da situação pessoal dele. A expectativa é de que, pela fragilidade da sentença condenatória, se consiga reverter isso no tribunal e que ele possa figurar entre os candidatos no ano que vem. Ele trabalha com essa única hipótese.
A epopeia do Lula não é, necessariamente, para votos em 2018?
O Lula, neste momento, tem duas tarefas: a questão da honra dele, que não tem a ver, especificamente, com a campanha. Não fossem esses processos, talvez isso não se fizesse necessário. Quando você é atacado na honra, é uma situação diferente dos demais candidatos. A caravana tem a ver com o que o Lula fez no passado. A ideia é que, se você não deve, não tem que temer estar no espaço público com as pessoas.
Existe um ambiente de tensão nas viagens?
Existe mais risco em função do fato de que tem gente jogando lenha na polarização e não é só no Brasil. Existe uma intolerância crescente no mundo inteiro como desdobramento da crise de 2008. As eleições estão mais polarizadas à direita, às vezes, polarizando com a extrema-direita. No Brasil, as coisas se conformam um pouco diferente, porque você tem um governo Temer que aglutina contra si forças progressistas. Do outro lado, você tem a figura do Lula, que é uma pessoa que remete a uma memória recente de um Brasil que deu certo. A mesma crise global vai se adaptar às condições locais, dependendo das variáveis.
Essa especificidade é por conta do Lula ou a esquerda ainda tem discurso?
São duas variáveis. A figura do Lula tem importância, mas o governo Temer, também. Ele é pedagógico porque organiza a compreensão do que está em jogo. Ele educa pelo contraexemplo. Na eleição do ano que vem, o Temer estará com dois anos e meio de governo; isso pode orientar as pessoas a se posicionarem em outra direção.
Para chegar ao poder, o PT teve que ir mais ao centro. Agora, com a polarização, é hora de voltar mais à esquerda?
Vai haver uma discussão difícil de ser feita, mas em dois planos completamente diferentes, e teremos que ter sabedoria para navegar neles. Um primeiro plano parte da compreensão de que o tecido institucional do país está esgarçado e precisa ser recuperado. Nesse plano, temos que ter um tipo de aliança, rigorosamente, com todo mundo de bem que tenha a compreensão de que o estado democrático de direito está em jogo, independentemente da questão programática sobre o que fazer em relação à crise, que é o outro plano.
Parte do PSB, por exemplo?
No geral. Acho que tem gente, inclusive no PMDB, que entende que as coisas foram longe demais. Muita gente não vê o Brasil mais com instituições sólidas. O fato é que tem um desequilíbrio na República que precisa ser recuperado. Isso não é bom para o presente e não será bom para o futuro.
Mas o Lula eleito, com discurso de nós contra ele, não amplia essa tensão?
Duas coisas diferentes: a postura conciliatória do Lula e o “nós contra eles” que parece antagônico à primeira. O Lula sempre procurou a mediação porque é da natureza do sindicalismo pensar que existe patrão e empregado.  Eu vejo o Lula muito da ótica desse trabalhismo que nasceu no fim dos anos 1970. Uma pessoa com bastante consciência de que a situação do empregado e do empregador é diferente, mas que era possível acordos favoráveis ao nós.
Mas ele voltar ao cenário conciliador não vai decepcionar esse PT mais raivoso?
Uma coisa é a compreensão que o próprio Lula tem de tarefas que talvez ele pudesse ter cumprido e não cumpriu. Apesar do êxito popular que ele teve, dos próprios indicadores econômicos e sociais, há uma compreensão de que tarefas não foram cumpridas. Reforma política é uma delas, tributária é outra.
E a da Previdência?
Na Previdência foi feita alguma coisa, tanto no governo Lula, quanto no governo Dilma. Na minha opinião, temas como Previdência têm de ser discutidos com foco porque todo mundo terá que reformar. A objeção que se faz ao governo Temer é sobre equidade. Alguém duvida de que precisa modernizar as relações trabalhistas? Não. Mas a equidade foi observada? Não. Houve um enfraquecimento no lado do trabalhador, evidente.
O senhor consegue avaliar por que perdeu a reeleição para a prefeitura de São Paulo? A imagem do PT está desgastada?
Não tenho dúvida. Estive no Recife e passei dois dias com aquele que foi, segundo pesquisas, o melhor prefeito da cidade. O João Paulo saiu com mais de 80% de aprovação do segundo mandato. Esse mesmo João Paulo teve 23% dos votos no primeiro turno.
O prefeito de São Paulo, João Doria, é um forte candidato em 2018?
Não é possível avaliar quem será um bom candidato. Como há um clima de paixão, as tensões sociais estão muito exacerbadas e, em um momento desses, a pior pessoa do mundo pode ser um grande candidato. O que posso dizer é que ele não será um grande presidente, se eleito for. Primeiro, pelo trabalho que ele vem realizando na prefeitura e, depois, pelo estilo antigo. Prometer ficar quatro anos e largar, prometer apoiar o Alckmin e se desdizer. Não termina um ano e já está fora da cidade fazendo campanha. Nunca acreditei nesse tipo de político. Uma pessoa que diz que não é político, mas só faz política. Não é uma crítica pessoal ao Doria, mas não acredito em um tipo de política que se afirma pela desconstrução do que foi feito antes, e não pela afirmação de um projeto próprio. São sintomas de uma política antiga. Vamos supor que tem alguém que desprezo no PSDB, seja uma mulher, jamais chamaria de anta. É um estilo de política muito antigo. Você não chama uma mulher de anta, seja quem for.
Como o PT vai trabalhar para melhorar a imagem em 2018?
O PT, no Brasil, perdeu 60% dos votos, mas mudou completamente a conjuntura. A primeira razão é o governo Temer, as pessoas estão vendo quais são os propósitos do governo Temer. Ponto dois: todo aquele material represado até 2016 sobre dirigentes de outros partidos veio à tona. Em setembro do ano passado, não havia discussão sobre o PSDB e o PMDB. O cidadão foi exposto a informações que ele não tinha no ano passado.
Mas o partido precisa fazer uma autocrítica?
O que aconteceu em 2017 abre um campo de discussão novo. Uma coisa é você fazer uma autocrítica quando só você está sendo acusado de práticas que foram identificadas em todas as agremiações. Vamos passar um período difícil, mas vamos identificar que existe gente boa em todos os partidos, mas que há problemas em todos, também. E o discurso depende muito do candidato porque tem que ter grau de veracidade. Se não for autêntico, não vai passar.
O senhor pode ser esse candidato?
Eu estou pensando no Lula.
Mas o Lula condenado tem capacidade de fazer autocrítica do PT?
O Lula condenado não vai ser candidato.
Vocês contam com o julgamento em segunda instância antes da campanha? Tem gente no PT que fala em esgotar os recursos para ele continuar concorrendo.
Acho muito difícil não haver decisão de segunda instância até lá porque corre o risco de ele ganhar a eleição e ser condenado depois. É muito difícil prever o que o Judiciário vai fazer, até porque o entendimento dos magistrados tem alterado substancialmente ao longo do tempo. Para o bem do país, o ideal seria uma decisão em segunda instância antes da eleição. Mas imagino que, enquanto houver recurso possível, tem de usar.
O senhor é o plano B do PT?
Essa discussão não está colocada. O que aconteceu? O Lula tem muito apreço pelo meu trabalho como ministro da Educação. Perguntado, ele respondeu que temos quadros e me citou como exemplo. Isso gerou especulações, mas esse é o único fato concreto que deu margem a isso. Internamente, não discutimos sobre, nem discutiremos.
Mas o senhor começou a viajar depois disso…
Eu já estava sendo convidado para os seminários de que estou participando. Tive uma conversa com Lula no começo do ano e ele me perguntou o que eu queria para 2018. Disse que não sabia, mas, para 2017, gostaria de ser um canal de comunicação para a sociedade, para ajudar a estruturar o plano de governo dele. E ele disse: “Olha, é uma boa ideia porque o teu legado na Educação é muito forte. Você tem sido chamado para falar em universidades?” Eu respondi “tenho”. Ele falou “vamos começar por aí, seria uma grande coisa você rodar o país, conversar com a academia”. É o que estou fazendo.
Uma aliança com Ciro Gomes é viável? Tem gente que coloca o senhor como vice do Ciro.
O Ciro é um excelente quadro político, tem o país na cabeça. Fico lisonjeado, mas espero que o Lula seja candidato.
O senhor teria o Ciro como vice?
Não vou cair nessa, treino em casa.
Não seria o momento de o PT recuar?
A pretensão era que o candidato em 2018 fosse de outro partido com o apoio do PT, em outras condições, não nas condições em que o partido está ameaçado de extinção pelas forças de oposição. Lula pensava assim. Não acho que o Lula queria voltar à Presidência.
Mas o PT tem chances sem o Lula?
O PT tem votos. Não é maior que o Lula. Já foi um dia, mas o Lula se tornou maior. É natural que isso aconteça quando você ganha a eleição. O PT pode ter o tamanho do Lula? Na largada, não, mas o PT não vai ter menos de 20% de intenções de votos.
Se não for o Lula, então será um nome do PT?
O que eu ouço na base do partido é que a gente tem que ter um candidato para se reerguer. Tem que ser do PT. As pessoas desejam que o PT tenha candidato em qualquer hipótese.
A Dilma foi uma boa presidente?
Todo mundo erra e acerta. Na crise de 2008, o Lula tomou decisões muito certeiras, a ponto de a economia girar em torno de 7,5% em 2010. Isso foi para uma situação emergencial, mas não se sabia que bicho era aquele, não se tinha clareza do que tinha acontecido. Não houve, da parte do governo Dilma, a percepção de que aquela mudança era estrutural da economia global. O governo dizia que tomaria medidas na suposição de que, em dois anos, a economia global retomaria o patamar pré-crise. Essa aposta que não se confirmou. O que aconteceu? Você começa a onerar o orçamento público federal com medidas que a um só tempo visava combater a inflação e manter o emprego. Partiu-se de um erro de diagnóstico. Quando a Dilma se reelege, ela não tem mais gordura, aí chama o Levy para dar um cavalo de pau. Obviamente, a oposição, diante dessa vulnerabilidade, sabotou o governo e o PMDB viu a chance de chegar ao poder.

Bolsa Família: fila de espera é zerada pela terceira vez no ano

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, telaBrasília – A fila de espera do Programa Bolsa Família foi zerada pela terceira vez neste ano. Em agosto, 828 mil famílias começam a receber o benefício. No total, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) vai repassar mais de R$ 2,4 bilhões para quase 13,5 milhões de famílias em todo o país. O pagamento começa nesta sexta-feira (18) e segue até o dia 31. O valor do benefício médio é R$ 179,73.

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, ao zerar a fila de espera, o governo federal mostra que é possível aprimorar os mecanismos de controle do Bolsa Família e destinar o benefício para quem realmente necessita.

“Com o pente-fino, conseguimos afastar as pessoas que tinham renda maior e repassar o benefício para quem mais precisa. As 828 mil famílias que estão entrando agora vão receber o Bolsa enquanto não tiverem uma fonte de sustento mais alta”, afirma.

Terra ressalta que o cruzamento de dados frequentes reduziu o tempo que o poder público leva para identificar se as famílias têm renda superior à exigida para ingressar e permanecer no programa.  

Complemento – Casada e mãe de dois filhos, Alessandra Morais Vidigal, 36 anos, de Boa Vista (RR), passou a integrar o programa neste mês de agosto. Para ela, o benefício – no valor de R$ 185 – chega em boa hora. “Vou comprar mais leite para meu filho menor e livros para o mais velho. Entendo que o Bolsa Família é para você ajudar o seu filho”, afirma.

Desempregada, ela acredita que o benefício será um complemento de renda temporário. “No momento, estou precisando, mas, no futuro, vou conseguir um trabalho e esse Bolsa Família vai ser repassado para as pessoas que mais precisam”.

Calendário – Para saber o dia em que é possível sacar o dinheiro, deve-se observar o último dígito do Número de Identificação Social (NIS) impresso no cartão do programa. No primeiro dia, recebem as famílias com NIS de final 1. No segundo dia, os cartões terminados em 2 e, assim, sucessivamente. Os recursos ficam disponíveis para saque durante 90 dias. Acesse aqui o calendário de pagamento.

Confira aqui os dados de pagamento por município

Primeira Infância – Para fortalecer ainda mais o Bolsa Família, o governo federal criou uma iniciativa de atenção à primeira infância. Sob a coordenação do MDS, o Programa Criança Feliz reunirá ações nas áreas de saúde, educação e cultura. As famílias serão acompanhadas por profissionais capacitados, que farão visitas domiciliares periódicas. Serão priorizadas gestantes e crianças de até 3 anos de idade beneficiárias do Bolsa Família e as de até 6 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

O governo prepara ainda um pacote de ações para promover a inclusão produtiva dos beneficiários do Bolsa Família, com oferta de microcrédito, estímulo aos jovens na área de tecnologia da informação e premiação aos prefeitos que conseguirem realizar ações de geração de renda para os mais pobres.

Saiba mais
O Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda direcionado às famílias em situação de pobreza (renda per capita mensal entre R$ 85,01 e R$ 170,00) e de extrema pobreza (renda per capita mensal de até R$ 85,00). Ao entrarem no programa, os beneficiários recebem o dinheiro mensalmente e, como contrapartida, cumprem compromissos nas áreas de saúde e educação.