Rádio Web do Sertão

Anuncie Aqui!

Publicidade

 

 

 

Denucie

 

Curta no Facebook

https://i0.wp.com/www.carlosbritto.com/wp-content/uploads/2012/11/PATRIOTA-O-SECRETARIO.jpg

Por Gilvan Magalhães*

Berço da poesia vale de sonho e de esperança, o Pajeú desde Dr. Orisvaldo Inácio padece por um deputado estadual. É inadmissível a região mais politizada do estado andar com chapéu dos outros.  Discípulo de Arraes e Eduardo chegou a hora de o Pajeú se levantar e eleger Zé Patriota deputado estadual.  Sabido o matuto anda com um pé em cada canoa e nunca segura em alça de caixão de defunto ruim.

Bombeiro, Articulador, Estrategista, aprendeu no movimento sindical a grande arte da política, a arte de engolir sapos. Muito intuitivo, sabe que o grande segredo da convivência com o ser humano está nas sábias lições de uma das maiores figuras dos séculos XX e XXI, Nelson Mandela. O líder sul africano dizia: “O grande segredo da vida é ver e buscar o lado bom das pessoas”. Patriota é aquele animal político que nunca está longe demais para que não possa se aproximar e nem tão perto de quem não possa se afastar, a autoridade começa no saber falar, e nisso, o matuto é um craque.

À primeira vista, parecem existir dois Patriotas, um muito jeitoso no trato e nas palavras e outro corajoso nas ações e nos gestos. A fusão dos dois faz um homem por inteiro. Comprometido, sempre, com a ordem democrática. Leal aos companheiros em mais de 40 anos de vida pública, só foi filiado a dois partidos, o MDB e o PSB. Sempre foi soldado de Dr. Arraes e do nosso saudoso e eterno governador, Eduardo Campos. Honrando a palavra que lhe empenha, se transformou em um grande interlocutor confiável na cena estadual.

É mais claro que o sol que o matuto é um homem de virtudes e defeitos. José Patriota não é um homem rico. Ele diz que regalias, mordomias e vida fácil, só na casa dos amigos. Segundo Ulisses Guimarães, políticos são caçadores de nuvens, Zé é casado com tempestade. Sabido, sabe que a impaciência é uma das faces da estupidez. Não é hipérbole dizer que Patriota pertence àquela rara estirpe do herói de Sófocles da Antígona: ele não veio para partilhar o ódio, mas para distribuir o amor.

Zé é um predestinado. E são os predestinados que, com suas mãos fortes e regidas, sabem argamassa as virtudes e os defeitos do seu povo para torná-lo viril e dinâmico e que, com o olhar fito no futuro, rasgam nos horizontes as perspectivas iluminadas do seu destino.

Se o Pajeú lhe der essa missão, José Patriota vai saber cumprir com grandeza a sua o seu chamado. Vai lustrar enriquecer e elevar nossa região. Dignificar o estado. Prestigiar e fortalecer o seu povo. Sonhar lutar e sofrer para reduzir entre os municípios a áreas dos miseráveis e apaziguar o espirito revoltado dos que tem fome e sede justiça.

Talvez o que mais lhe doar nessa convocação é ele deixar a prefeitura de Afogados da Ingazeira. Pois, tenho convicção plena que ele é capaz de enfrentar, talvez, as piores provações da vida, mas não suportaria um único dia em que a convicção do meu amor por e de Afogados, e de Afagados por ele, fraquejasse. Ele carregar dentro de sua alma a gratidão por Afogados, saber agradecer é uma arte. Às vezes, o maior agradecimento está na frase que não foi dita, no verso que não foi escrito. O agradecimento está na alma e só quem espia da janela do coração pode ver.

Creio que Afogados só esta cumprindo seu destino, pois, ele tem uma história bonita de emprestar sempre a Pernambuco o sonho, a força e o espírito guerreiro do seu povo. Tenho convicção plena que Afogados da Ingazeira jamais vai falta ao Pajeú e a Pernambuco.

Há certos momentos na história que um povo descobre que só a um único homem que lhe pode lhe conduzir no caminho da luz. Os Estados em 1930 descobriram Roosevelt; a Inglaterra em 1940 descobriu Churchill; a França em 1958 descobriu Charles de Gaulle. E em 2018 o povo do Pajeú vai descobrir Zé Patriota.

Como disse o poeta Maximiliano Campos: “que ele seja assim: alegre sem desconhece a tristeza; capaz de uma ilusão, Forte sem apedrejar nas derrotas; rebelde sem perder a mansidão, servo só do ideal e do sonho e rei de sua vontade; amando as pessoas sem deixar que nenhum medo o faça desconhece a liberdade”.

*Gilvan Magalhães é Cientista Político