Brasil registra 97,2 mil casos conhecidos de Covid em 1 dia; média móvel passa de 60 mil

 

G1

O Brasil registrou nesta quinta-feira (13) 97.221 novos casos conhecidos de Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 22.815.827 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi a 60.072 – a maior registrada desde 29 de junho do ano passado (quando estava em 65.070). Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +634%, indicando tendência de alta nos casos da doença.

O país também registrou 190 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 620.609 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 126. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +29%, indicando tendência de alta nos óbitos decorrentes da doença.

Cinco estados não tiveram registro de morte nesta segunda: AC, AL, AP, RN e RR.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Instabilidade nos sistemas

Após o apagão de dados do Ministério da Saúde, os estados começaram a normalizar a divulgação de números de Covid-19 no Brasil no dia 4 de janeiro.

Em 12 de dezembro, o ministério informou que o processo para recuperação dos registros dos brasileiros vacinados contra a Covid-19 após ataque hacker foi finalizado, sem perda de informações. Mas, no dia seguinte, o ministro Marcelo Queiroga disse que houve um novo ataque hacker. A previsão inicial de estabilização dos sistemas, de 14 de dezembro, não foi cumprida.

Em janeiro, o ministério informou que quatro de suas plataformas foram reestabelecidas ainda em dezembro; afirmou que, no dia 7 de janeiro, normalizou a integração entre os sistemas locais e a rede nacional de dados, e que o retorno do acesso às informações tem sido gradual.

Segundo a pasta, a instabilidade no sistema não interferiu na vigilância de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, como a Covid. É o oposto do que dizem os pesquisadores.

“A gente não consegue planejar a abertura de novos serviços hospitalares, de centros de testagem, abertura de novos leitos e entender as regiões onde o impacto da nova variante é maior”, diz Julio Croda, infectologista e pesquisador da Fiocruz.

“A gente não viu a evolução e a chegada da ômicron. Ela não apareceu de repente no Ano Novo. Ela entrou ao longo do mês de dezembro, e a gente estava completamente em voo cego ali, porque não tinha dado nenhum; a gente não viu os dados crescerem”, afirma o professor Marcelo Medeiros, fundador do Covid-19 Analytics. Ele interrompeu o serviço que auxilia autoridades a tomarem decisões em meio à pandemia.