Diogo Moraes presta solidariedade à família jataubense, na tribuna da Alepe

Luna, Diana e Sara perderam a vida após o veículo em que estavam ser arrastado por enxurrada, devido às fortes chuvas em Santa Cruz do Capibaribe.

O deputado estadual Diogo Moraes usou a tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco, nesta segunda-feira (1), para prestar solidariedade à família jataubense atingida por uma tragédia no fim da tarde do dia anterior.  Sara Ferreira de Melo (29), Diana Maria Barbosa (30) e sua filha, a pequena Luna Safira (2), residentes de Jataúba, morreram após o carro em que estavam ter sido arrastado pelas águas ao tentar atravessar um córrego em Santa Cruz do Capibaribe. O motorista e pai da pequena Luna, conseguiu sair do veículo. “Quero prestar toda solidariedade a essa família jataubense que se encontra no auge do desespero. Um fato muito trágico que deixou toda a região abalada. Que Deus possa abençoar e confortar essa família”, discursou.

De acordo com o deputado, as ações preventivas realizadas pela prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe evitaram uma tragédia ainda maior. “Se prefeitura não tivesse realizado o trabalho preventivo de limpeza e alargamento de canais, córregos e riachos aumentando a vazão da água, com a chuva que caiu ontem talvez tivéssemos consequências ainda mais graves”, relatou Diogo.

Ainda no mesmo discurso, o deputado relatou que conversou com o prefeito Fábio Aragão e com o deputado federal Felipe Carreras no intuito de ser discutido um projeto de drenagem do município para médio e longo prazo. “Santa Cruz é uma cidade que cresceu em ritmo acelerado e esse crescimento também ocasionou uma ocupação desordenada. Ao longo de 40 anos foi permitido construções em áreas irregulares, em sua maioria em proximidade de afluentes e córregos. A água vai requerer aquilo que é da natureza dela. Tivemos uma conversa com o prefeito Fábio, ainda bastante abalado com a situação, conversamos também com o deputado Felipe Carreras e nós vamos mapear Santa Cruz, construir um projeto de drenagem junto com a Codecipe e Apac”, completou.

Em apenas 40 minutos, Santa Cruz do Capibaribe recebeu um volume de água de 105 milímetros, o que estava previsto para os meses de março e abril. No distrito de Poço Fundo o volume foi ainda maior, chegando a 130 milímetros.